Marcadores

sexta-feira, 9 de março de 2018

SAUDADE

Foi muito pouco tempo de convivência, para que ele se desnudasse completamente, os animais principalmente os cães
nada têm a ostentar, nunca nos decepcionam, muito pelo contrário, ensinam-nos tanto sem palavras,
sem gestos especiais e sem bajulações.
Quando conheci o Salvador, eu me encantei por ele, logo de imediato e a cada dia que passava mais ainda,
Porém existem circunstâncias mil, que nos separam das coisas que amamos, portanto nossa caminhada
foi abandonada por mim, mas ele permaneceu,como bom amigo fiel tomando conta da rua e ganhando
o coração de todos.
A Frida também ,me vem á lembrança,aquela bolinha branquinha, tão pura e delicada, tão delicada que
 resolveu virar uma estrelinha, eu recomendaria ao Salvador que a procurasse, sei lá em algum lugar,
pois se vamos a algum lugar depois que morremos, quanto mais os animais que são tão fieis a própria raça,
e também á raça humana.
Impressionante como todos são parecidos,deixam as mesmas saudades,com muito, ou pouco tempo de convivência,a Frida deixou seu lugarzinho vazio.
A Frida voadora!
E a rua ficou sem o Salvador, eu não o vi, mas ele estava indo embora, e foi sem nenhuma palavra,nenhum gesto
Num silêncio total.
Mas acredito que toda manhã quando os demais cachorros das cercanias correm naquelas praças, em algum lugar o Salvador deve estar espreitando,
E quando a rua se faz silenciosa á noite, ele perpassa todas as casas para verificar se está tudo em ordem.