Marcadores

terça-feira, 16 de junho de 2015

CAFÉ

Tem muitos anos, eu era bem jovem ainda e a televisão exibiu uma reportagem que me emocionou muito e nunca mais esqueci. 

Num calçadão do Rio de Janeiro, cidade com grande índice de assaltos, eles colocam um cavalete e nele escorado um dos mais famosos quadros de Cândido Portinari, designado “Café”
E o tempo passou, pessoas se trombando num movimento de ida e volta.
Era um sábado agitado, por ter muito sol e as praias estavam ficando superlotadas.
Passou-se boa parte do dia, e nada.
Ninguém sequer parou para observar o quadro.
Quando a tardinha caia mansa e as pessoas um pouco mais lentas, voltavam , ou iam, já não tão apressadas, de repente aparece em cena,uma senhorinha, já de uma certa idade com uma canga leve escondendo o corpo,um  chapéu de praia na cabeça e a esteira na mão.
Vinha distraída esgueirando-se entre os transeuntes e quando depara com o quadro...
Emocionada e lentamente foi tirando o chapéu da cabeça, como quem se aproxima de algo sublime, ajoelha-se diante do quadro ,e entre lágrimas e palavra cortada diz:
Café!
Eu não acredito no que estou vendo em minha frente!
A cena foi cortada também e a noite caiu devagar, onde durante todo o dia,no anonimato, lá esteve ela.
Uma das mais famosas obras de arte do mundo