Marcadores

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

PATRIMÔNIO PÚBLICO

É através da preservação destes, que se pode medir a educação de um povo.
Entendamos que “patrimônio público”,pertence a todos,sendo responsabilidade de todos a sua preservação...
Fazemos parte da “classe trabalhadora,que ás duras penas, pagamos nossos impostos,sejam em taxas cobradas,ou embutidos em tudo aquilo que consumimos...
Entendamos então, que cada vez que há depredação, seja de pequeno ou grande porte, de nosso bolso, de gente do bem, cidadão honesto, é que sai o dinheiro da restauração, ou reposição destes...
Também incendeiam e depredam coletivos em que as pessoas honestas e trabalhadoras fazem uso dos mesmos para se deslocarem.
            Indelicadeza e gentileza, que se perde por completo, na fumaça, nos meandros da estupidez
Parte de nossa sociedade, vem formando seus ideais na base dos direitos, esquecendo dos deveres, que são arcados pela parte que trabalha,que honra os compromissos assumidos...

Leis são elaboradas para serem cumpridas, mas estas precisam ser contrabalançadas de maneira séria e eficaz,onde todos assumam seus deveres para reivindicarem direitos...
Onde pais e mães, ainda sejam os responsáveis pelos filhos, mesmo em face de uma separação, os filhos nunca serão ex,portanto,os pais,devem responsabilidades,em nome da educação dos filhos,do bem,e do futuro destes...
A educação que os pais doutrinam, essa é a mais importante, “a insubstituível”, quando vem respaldada de ações, as quais, futuramente,estes pais verão a réplica, nas ações,nas realizações, e gentilezas de seus filhos... É lamentável, vermos, ás vezes, alguns jovens, depredando, destruindo,mesmo porque portam uma educação que ignora o fato, de que estão burlando uma lei de crime sem fianças...
Patrimônio é intocável, porque é de todos!
Então, em nome do bem , principalmente de nossas crianças, que futuramente estarão usufruindo o, porque é de todos, passemos adiante, doutrinemos essa delicadeza, para que nossos seguidores aprendam , sejam honestos e felizes conosco.
Pois, quem cria o espírito da destruição, seja de seus pertences, pertences alheios ou patrimônio público, está fadado a ser desprovido destes, sentindo-se eternamente infeliz por não saber valorizar o que lhe serve.