Marcadores

quinta-feira, 25 de julho de 2013

A IMPORTÂNCIA DO DIÁLOGO

Somos merecedores da felicidade, da luz das grandes realizações, portanto, atravessar o caminho, ás vezes, faz com que sintamos os nossos limites mais de perto, e em face disso, aparente desconforto, pois isso se faz necessário para que nos movimentemos em busca da serenidade...
O bem é simples, merecedor de todos os atributos positivos, que entre si elaboram a felicidade de maneira completa, portanto, também exemplar, esse fato implica, exige, em que não a transportemos sozinhos, mas que a dividamos, pois todos, somos merecedores da felicidade...
Dividir felicidade é compor saídas, ajudas, que através de diálogos,implicados com a palavra verdade, podem restaurar em instantes, o grande núcleo sintetizado da busca, do ponto de partida, do conforto que nos encaixa harmonicamente dentro da vida...
Quando dividimos tudo, passamos a viver melhor, pois isso explica o fato de que pessoas bem sucedidas no amor, são mais felizes e completas, fato este, que se embasa na divisão da felicidade dentro da rotina dos dias, que harmonicamente se possibilita viver...
Ao atravessarmos uma fase transitória, em que temos medo de tudo, principalmente, quando um diálogo precisa atravessar o nosso campo afetivo, nos cercamos de cuidados,arrumamos subterfúgios,para que dentro de uma aparente justificativa,abdiquemo-lo.
O campo vasto da solidão ganha força dentro do terreno vazio de nossas justificativas, de nossos meios tão vulneráveis, mas que os declaramos eficazes, corretos, que inconscientemente vêm reforçar a muralha da defesa, o diálogo assusta, tentamos banalizá-lo, não dando crédito...
A felicidade afetiva é simples e complexa ao mesmo tempo, simples porque está ao nosso alcance, e complexa porque exige diálogo, um bem a ser cuidado com carinho, sem as complicações que tentamos criar, para justificar a ausência do mesmo, que acarreta o enfraquecimento da confiança...
O diálogo aberto e franco, em comunhão com a verdade, tem a capacidade de salvar relações afetivas de maneiras eficazes, uma vez que façamos deste, uma constante a alimentar a confiança, o respeito e sanar as dúvidas e desavenças...
Uma relação não é feita de um só querer, da felicidade, ambos são merecedores, ambos precisam compactuar seus quereres, portanto, quando estamos nos anulando em função de alguém, estamos colaborando para o fim da relação, mesmo porque, ninguém consegue ser feliz vivendo com alguém pela metade.
Quando não estamos felizes, não conseguimos atrair felicidade a ninguém, impossível exigir que alguém nos faça feliz, quando apresentamos uma felicidade de fachada apenas, não conseguindo nos expor, dialogar e acertar os pontos, o que chamamos de “aparar as arestas”.