Marcadores

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

O SAPATO DA SOGRA [CONTO]

Essa história de que carro e mulher não se emprestam a ninguém,sempre me lembra um fato muito engraçado.
Muitas vezes a mentira engana bem a pessoa que mente.
Povo , diz muito isso.
Diz-se, que também acontece muito isso.
Ninguém empresta mulher.Mas emprestando carro ao amigo,perde a mulher.
Acredito que para não se emprestar o carro, nasceu o tal provérbio.
Porque cá entre nós, existem homens que têm verdadeira idolatria por carro.
João era um desses, passava os finais de semana, lustrando e admirando o bichinho.
Só tinha um inconveniente,Geraldo das Neves, aquele mulherengo, volta e meia, pedia o carro emprestado para dar um rolê
com uma gata.
E como carro e mulher não se empresta a ninguém, o casamento de João, estava indo água abaixo por conta desse seu espaçoso amigo.
Ele deixava o carro todo lustroso de embaçar vista, e lá vinha o Geraldo pidão.
Um dia a mulher deu um ultimato.
_Olha aqui João!
Que seja a última vez que esse folgado mulherengo sai com teu carro, por que da próxima, eu sumo com as crianças e você fica aí com teu amigo.
Nessas alturas, já nem tinha como:
-Beleza, pensou João, já ando pelos tampos, e me dói o coração, ver aquele malandro usando meus carro.
Era noitinha de sábado e João estava, lustra que lustra o carro na calçada em frente de casa, distraído e encantado com a belezura.
Um brilho de fazer gosto!
De-repente ele Vê o amigo se encostando...
Ai! Ai! Pensou ele.
E não deu outra.
João foi obrigado a contar o que estava se passando ,e por isso não emprestaria o carro jamais.
Não poderia pôr seu casamento em risco.
Depois outra, disse ele.Amanhã logo cedo, viajarei para casa de práia á 300 quilômetros daqui.
Minha esposa vai levar a mãe dela.
Geraldo das Neves, cabra cheio das artimanhas, ficou na insistência.
E a insistência foi pegando João pelo sentimento.
_Será a última vez, disse Geraldo das Neves, te prometo dentro de uma hora te trazer o carro.
Tudo bem disse João.Digo á mulher que vou jogar bola e te espero no bar da esquina, nem um minuto a mais.
E tudo saiu perfeito conforme o combinado.
Chegou em casa,pôs o carro na garagem e tudo transcorreu normalmente.
No outro dia cedinho, pé na estrada.
Ele a esposa na frente.Dois filhos e a sogra no banco traseiro.
Depois de uma meia hora que estavam na estrada, ele sentiu uma coisa estranha embaixo da embreagem do carro.
Com cuidado, tateando com os pés, viu que se tratava de um sapato feminino.
Pensou...
-Que canalha!
Deve ter ficado com raiva, além de emprestar meu carro, deixa um sapato de mulher para complicar minha vida.
E agora?
Pensou...
Veio-lhe uma idéia de sopetão, e quando todo mundo estava distraído, ele deu uma abridinha na janela e jogou o sapato longe.
Respirou fundo e sentiu uma sensação de quem sai do sufoco.
Chegando lá, já nem lembrava mais de nada,.
Ou melhor, não lembrou até ouvir o grito da sogra.
Socorro!
Tirei o sapato do pé na estrada porque estava muito calor, e ele sumiu!